Burocratizar e restringir o acesso das pessoas à internet? O fim da liberdade


Inclusão Digital?Um boato verdadeiro… “A Comissão de Constituição e Justiça do Senado votará na quarta-feira (8/11), um projeto de lei que obriga a identificação dos usuários da internet antes de iniciarem qualquer operarção que envolva interatividade, como envio de e-mails, conversas em salas de bate-papo, criação de blogs, captura de dados (como baixar músicas, filmes, imagens) entre outros”.

O senador Eduardo Azeredo (PSDB), ex-governador de Minas Gerais, quer burocratizar a internet brasileira obrigando a identificação dos usuários que se conectam à rede. Ou seja, você que usa a internet para realizar pesquisas, enviar e-mails, trabalhar, navegar pelo orkut e se comunicar com amigos pelo MSN, terá que aceitar (se o projeto for aprovado) todas as condições impostas. Mãos pro alto mermão, passa o teu RG aí­!

Enquanto criminosos (hackers que adoram a vulnerabilidade falta de inteligência dos usuários não precavidos) aproveitam o tempo para desenvolver trojans e conquistar algum dinheirinho obtendo números de contas de bancos e senhas, o governo perde tempo tentando criar leis que prejudicam o usuário de bem, de boa conduta na rede. Será que ele (o senador) pensa que isso resolve o problema das fraudes e crimes na internet?

Se os “Maiores alvos do cibercrime, os bancos e os administradores de cartões querem a identificação prévia dos internautas”, é porque eles tém clientes que não sabem lidar com um computador ligado à rede. Nenhum “entruso” abre portas se “fulano” não o executa…

O que eu penso: ao invés de o governo tentar inibir os usuários, poderiam educar os “leiguinhos”.

Thiago Tavares, presidente da ONG Safernet (Central Nacional de Dennúncias de Crimes Cibernéticos) que diz que tudo não passa de uma “tentativa extrema de resolver a criminalidade cibernética, que não surtirá efeito. O criminoso vai se conectar por meio de provedores no exterior, que não se submetem à legislação brasileira, ou usará laranjas (terceiros) e identidade falsa no Brasil”, e que “o projeto, se aprovado, irá burocratizar e restringir o acesso das pessoas à internet“, pois “Não se pode acabar com a rede, em nome da segurança, porque ela nasceu com a perspectiva de ser livre e trouxe conquistas muito grandes, como a liberdade de informação e de conexão”.

[tags]trojans, hackers, segurança, inclusão digital[/tags]

Tema Portal WordPress - PortalPress


15 Responses to “Burocratizar e restringir o acesso das pessoas à internet? O fim da liberdade”

  1. Newton de Góes Horta

    Viche! Eita! Valha meu São Breguelim! Talvez, fosse mais frutífero para o País, o Senador e companheiros se preocuparem, por exemplo, com o Caixa Dois das eleições e em diminuir o grau de burocratização reinante, principalmente aquelas que afetam diretamente o desenvolvimento do Brasil.

    Reply
  2. Jarbas Cordeiro de Campos

    Thalis VAlle,

    Obrigado pela visita no Aparte. Achei muito, mas muito interessante mesmo o seu artigo a proprosito da regulação do acesso identificado a internet e entendo que está é uma opotunidade impar de darmos nossa contribuição no sentido de garantir a liberdade com responsabilidade, também, via net. Sou plenamente favorável a liberdade de comunicação em todos os sentidos e não gostaria de ver este nosso maravilhoso mundo sem fronteiras com regras que nos limitem.
    Penso, como Jean-Paulo Sartre: “Queremos a liberdade pela liberdade e através de cada circunstância particular. E, ao queremos a liberdade, descobrimos que ela depende inteiramente da liberdade dos outros, e que a liberdade dos outros depende da nossa.”
    Nesse sentido gostaria, se te interessar, é claro, que elaborasse algumas sugestões a respeito do assunto. Temos está oportunidade impar de contribuir e fazer constar do projeto nossas propostas. Para não ser cansativo, fica aqui o convite de aprofundarmos a está discussão e de encaminharmos nossas sugestões ao Relator do Projeto Senador Eduardo Azeredo, com quem discutiremos diretamente o assunto. Abs. Jarbas Cordeiro de Campos

    Reply
  3. amelia

    Se aprovado, será o começo da ditadura digital. Eu também sou contra. Penso que a maneira certa de controlar a criminalidade é educando os usuários de bem, para que sejam cada vez mais menos vulneráveis.

    Reply
  4. Igor Escobar

    Olha, sinceramente eu não sei o quão isso pode ser ruim. Isso só vai virar um problema se eles começarem a cobrar por este login, cobrar taixas e mais juros para manutenção por exemplo. Ai sim, isso vai ser um problema.

    Por hora, não vejo problema em ter um login e uma senha só para se logar etc, afinal, nós temos nossos direitos e acredito que o usuário de BEM não vai ser prejudicado em nada, Se somos de bom, nós não usamos a internet para prejudicar ninguem, isso só vai beneficiar os usuários de bem e restringir o acesso aos usuários mal intencionados, o problema é que o brasileiro SEMPRE da um jeitnho, e como nenhum sistema é 100% seguro eles vão achar um jeitinho de burlar essa autenticação ou até mesmo ROUBAR a senha de um usuário de bem e fazer as merdas em nome de outras pessoas, e acredito que isso não seja complicado saber, e VAI acontecer muito disso.

    Sei la…acredito que isso não vá da muito certo.

    Reply
  5. thalisvalle

    Primeiramente, a todos obrigado pela participação.

    Jarbas, eu não acredito no que acredita o Sr. Eduardo, onde os usuários de bem pegam pela má conduta dos espertinhos na rede. Se fulano apronta e eu não, não tenho que provar minha inocencia.

    Como seria a forma de participar, comentando o que pensamos a respeito?

    Abraços

    Reply
  6. tiago

    Também sou contra! O pior é que o cara (senador) já estudou tecnologia de internet e hoje está agindo contra o desenvolvimento digital no brasil.

    m/

    Reply
  7. Rafael Jr

    Thalis, concordo com você!

    Mas, não podemos fazer nada. Eles irão votar e nós iremos torcer para que isso não dê em nada.

    Gostei muito seu blog. parabéns!

    Reply
  8. Carmen Rita Alcaraz Orta Dieguez

    Thallis,
    Obrigada pela sua visita em meu blog (http://rolapapo.blogspot.com/)

    Somente hoje vim até seu blog e posso dizer que ele é muito…diria..chic…o Jânio já sabe que eu não sei absolutamente nada do que tem em um blog, mas um dia, quem sabe, eu aprendo . Apesar de já ter me prometido que “além do que eu sei, não quero aprender mais nada”. É muita coisa para uma cabeça só.

    Nessa coisa de me preocupar muito, corro o risco de fritar meus miolos.

    Sobre o assunto em pauta aqui, eu diria que o pior da liberdade dos outros depender da nossa, é nossa liberdade depender dos outros.

    Não vejo isso como uma solução boa, pois a lei é clara quando diz que nenhuma pena passará da pessoa do condenado (artigo 5º, XLV, CF/88), além do que a lei existe para normatizar comportamentos e não somente para coação(constrangimento físico ou moral ) aleatória .
    E este é um dos preceitos mandamentais coerentes na nossa Carta Magna, pois você já pensou em uma família que haja um bandido, na sentença, estar incluída a mãe, o pai, os irmãos?
    Se bem que certas mães deveriam ter amarrado o tamanco nove meses antes de alguns crápulas terem nascido!!

    Então, por qual razão, os que são corretos, que não andam ? margem da lei, deverão ser identificados, seria talvez como uma coação para que não soçobrem ? gula de cometer atos criminosos na internet??

    Eu vislumbro isso como o Grande Irmão. Não que as pessoas sejam criminosas em sua essência e que sempre estarão arriscadas a resvalar para a maldade e a má conduta, mas a invasão de privacidade começa quando você é policiado em seu mais intimo desejo, no seu subjetivo.

    Quando você precisa deixar de fazer algo, que não sendo ilegal, que não esteja afrontando os direitos de outros, para satisfazer algum tipo de norma absurda, os seus direitos estarão sendo aviltados.

    Veja: há algum tempo, um abestalhado entrou armado, em um cinema de shopping, no horário do filme e, para a sua satisfação (porque é um celerado), metralhou as pessoas que ali estavam, causando mortes, ferimentos e posterior desgraça em muitas famílias.

    Se, por conta disso, outro abestalhado fizer proposta de lei, para que não se entre em cinema do shopping, em plena sessão já iniciada, pois há risco de haver tiroteio, o que você me diria? Que o direito do outro depende do seu e o seu direito do direito do outro?

    Em relação aos que entram na rede da internet para causar danos e infringir a lei, deve haver outro meio de cerceamento, do que aplicar o mesmo peso e a mesma medida, para aqueles que entram na rede sem propósitos escusos.

    Seria entender que todos entram na internet armados de metralhadora para ferir e matar.

    Como ensinou César Beccaria, devemos continuar acreditando que “o que inibe o crime não é o tamanho da pena, mas a certeza da punição”

    Abraços

    Carmen Rita

    Reply
  9. Thalis Valle

    Carmen,

    Obrigado pela participação no meu blog. Quando o Janio publicou seu blog como nova referência, mesmo sem eu ter acessado para dar uma espiadinha, eu já imaginei: se a referência partiu do Janio é porque a moça é boa. E, pelo conteúdo do seu comentário eu posso dizer que vou me tornar seu fã.

    Sei que está no começo da estrada na blogsfera, mas já “largou” bem. Gostei muito do modo como se expressa.

    Concordei com tudo o que disse e achei seu comentário tão importante. Acho que você deveria acessar o blog do Jarbas (a fonte desse tópico) e participar lá também.

    Abraços

    Reply
  10. zidane

    Estou raivoso! Não aguento mais ver o governo com leis que fodem o povo de bem. Enquanto tem muito sem-vergonha aprontando lá em Brasilia, vem safado querendo apavorar……..

    O caso está tão serio que nem reza adianta mais.

    eu sou a favor da liberdade, assim como a Carmen disse.

    Inte

    Reply
  11. Neto Cury

    Acho q os marmotas perceberam que o que eles queriam era quase impossível, e resolveram suspender a pauta temporariamente e estudar melhor o caso…
    Enfim, menos mal.
    Abraços

    Reply

Leave a Reply

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>