Cliente vs Fornecedor


Em algumas situações, a realidade é essa. Mas deixar cliente pôr preço no seu produto não é uma coisa muito sábia de se fazer.

Segundo Roberto Justus, um vendedor não pode aceitar vender um produto que ele sabe que quando o cliente comprar, vai descobrir que comprou gato por lebre. Ou seja, pagou pela qualidade (por exemplo) e levou o defeito. Mas se o produto corresponde à espectativa e traz benefícios, você vai deixar o cliente escolher o preço?

Se eu chegar na loja da Nokia e pedir um N96 que hoje vale R$2.300,00 por aqui, mas dizer que eu só pago R$500,00 reais por ele, será que eles me venderiam?

Que este video sirva para não cair na armadilha.

Siga-me no Twitter.

Tema Portal WordPress - PortalPress


3 Responses to “Cliente vs Fornecedor”

  1. Felipe Ranieri

    É um assunto complicado, claro que tudo tem limite mas por exemplo, os livros do Harry Potter que eram vendidos a R$ 80,00 estão por menos de R$ 10,00 no submarino. Me corrija se eu estiver errado, não sou da área de custos, não sou publicitário nem tenho habilidade no comércio mas tudo leva a crer que o preço de custo do livro é menor do que R$ 10,00, concorda? Ou seja, lucram absurdos em cima das pessoas. Pedir o celular por R$ 500,00 não é o certo a fazer mas deixar de comprá-lo até que o mesmo seja vendido por um preço justo eu acho interessante.

    Como eu falei, é um assunto complicado.

    Abraço

    Reply
  2. thalisvalle

    Como vai Ranieri?

    Da questão dos livro, trata-se de promoção. Isso impulsiona vendas em estoque parado, sem giro.

    Quando em grande volume, vende mais quando há promoção/oferta do que se fosse a preço normal, de picadinho em picadinho. Hoje, em 2009, o subarino tem 12% do lucro em e-mail marketing. Ano passado era 8%. De um ano pra cá tiveram um aumento significante, graças a essas promoções “relampagos”.

    Mas quem deu o preço não foi o usuário. Tudo está dentro do escopo de possibilidades deles.

    É diferente de você fazer uma compra direta, ir lá, clicar no carrinho de um produto que vale 100,00 e perceber que não pode alterar seu valor. Ou, mandar um e-mail dizendo que quer comprar o produto, mas so pode pagar metade dele.

    Quando a entidade dá seu preço e oferta é diferente de o consumidor chegar e ele ditar o quanto vale, como no caso do video.

    E, é diferente de fazer pesquisa de mercado e descobrir que o consumidor (a massa) quer que você baixe o preço do seu produto. Por isso faz parte do planejamento, concorrência, de usuarios “fieis”.

    Abraço

    Reply

Leave a Reply

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>